quarta-feira, 25 de maio de 2011

Séries - "Guerra Dos Tronos"


Tem uma frase do famoso diplomata americano Henry Kissinger (Prêmio Nobel da Paz em 1973) que diz que o “poder é o afrodisíaco mais forte”. Ao assistir o rei Robert Baratheon em ação comandando os sete reinos da série “Guerra dos Tronos”, fica bastante fácil concordar com essa afirmação. A nova trama que a HBO disponibiliza aos domingos é uma aposta alta que logo no seu início traz muitos indícios de que será bastante válida.

A HBO que recentemente produz séries do porte de “Boardkwalk Empire” e “Treme” e tem no currículo pérolas como “A Família Soprano” adentra o (caro) universo da fantasia baseada na obra de George R.R. Martin. O autor que está em vias de liberar o quinto livro dos sete pretendidos originalmente (aqui no Brasil foram lançados dois) participa da produção dos episódios e tenta atestar o máximo de fidelidade possível para a sua história.

Os primeiros capítulos de “Guerra dos Tronos” ambientados em Westeros, uma espécie de grande reino da idade média, trazem inicialmente uma associação direta com o mundo do “O Senhor dos Anéis” de J.R. Tolkien, até mesmo pelo fato de um dos principais personagens ser interpretado por Sean Bean, o Boromir da adaptação cinematográfica. Com o tempo algumas correlações indiretas aparecem como as séries “The Tudors” e “Roma”.

Quando o universo da trama começa a se desvendar, no entanto, percebe-se que a obra por mais que se aproprie de detalhes clássicos do universo da fantasia (com dragões e outras criaturas), prefere optar por um caminho mais escuro e denso. O alicerce que fundamenta os capítulos são as conspirações entre famílias tradicionais que buscam voltar ou tomar o poder, usando para tanto os mais dissimulados artifícios que esbarram em questões como honra.

A HBO acerta ao trazer para o elenco atores competentes como o já citado Sean Bean e outros como Mark Addy (de “Ou Tudo Ou Nada”) e Aidan Gillen (da série “The Wire”), além de mostrar gratas surpresas como Peter Dinklage no papel do anão Tyrion Lannister e a jovem Maisie Williams como uma das filhas de Lorde Stark. Na retaguarda aparecem nomes como David Benioff (roteirista de “Entre Irmãos”) e Alik Sakharov na direção da fotografia.

Todo esse esmero com a produção é fundamental para que o mundo repleto de violência, crueldade, conspirações e traições concebido por George R.R. Martin funcione na sua amplitude. É cedo para afirmar se esse novo projeto irá se consolidar e alcançar o nível de qualidade que o canal já obteve em outros trabalhos, mas tudo parece caminhar para esse sentido. Uma boa pedida é comprar uma passagem para Westeros e confirmar por si mesmo.

Um comentário:

Angélica Reyes disse...

A verdade é que ele é tão vale a pena pagar para ver essa série incrível, as audiências são fascinados pela história medieval de Game of Thrones, e tudo é grande, em que, do começo ao fim, um exemplo é o elenco envolvido, como Michelle Fairley, excelente atriz que deu um toque único a esta saga.