segunda-feira, 2 de janeiro de 2006

E-m@il - Matt Beaumont

Faz um certo tempinho já que li em algum site por ai pelos arremedos da internet (não me lembro qual), sobre um livro chamado “E-m@il, lançada pela Bertrand Russel , 392 paginas de um autor inglês chamado Matt Beaumont. Como as coisas aqui em Belém demoram um pouco para chegar (ainda mais quando não são mainstream) só pude saciar minha curiosidade há alguns poucos dias. Matt Beaumont pode ser incluso nessa lista de autores pop ingleses como Tony Parsons e Nick Hornby, só que sem ser famoso como ambos. Em seu livro de estréia produziu uma leitura rápida, seca, acida, sarcástica e cruel sobre o mundo da publicidade e das empresas de um modo geral, vistos do olhar de quem conhece (o cara é publicitário), moldados por aquilo que passamos a chamar de cultura pop e descrito através de emails. Dessa forma, constrói-se um universo dinâmico e mais atual que nunca, uma vez que a impessoalidade ganhou novos contornos com a internet e sua proliferação. Claro que isso já foi feito outrora, em livros que contam historias através de cartas, mas essa não é a idéia do autor, originalidade não é sua busca, e sim detonar com o glamour e fascinação de um mundo repleto de fantasias, mas tão carente de princípios e criatividade como tantos outros. Por meio de emails, conhece –se a empresa de publicidade Miller-Shanks, que esta em um processo a todo vapor para uma concorrência da Coca-Cola, cliente tão sonhada por todos, necessitando para a sua conquista, o desenvolvimento de uma campanha genial, alem do fato da manutenção das outras contas. A crueldade com que o livro acontece é sublime. Um retrato puro e verdadeiro de grande parte das empresas e suas políticas. Ate Dilbert ficaria emocionado. Um mundo onde o CEO da empresa não sabe nada, o diretor de criação não tem criatividade alguma, vivendo de nome e malandragem, o Diretor de Atendimento (quem?) não manda nada, mas pensa que manda, secretarias belas e gentis que na penumbra se tornam cobras venenosas, um contador nerd e imbecil, entre outros. Um mundo repleto de falta de escrúpulos, puxa – sacos, falsidade, incompetência, cinismo e claro muito, mas muito charme. Se você é publicitário, com certeza vai gostar mais ainda, e se não é vai se divertir muito, com essa comedia da vida moderna e suas caracterizações tão próprias desse nosso cotidiano cibernético. Impossível não vibrar com as derrocadas dos personagens ou a estilização de outros, aliada a toques nada sutis de falhas convencionais do dia a dia. Um dos melhores de 2005, sem duvida.

Um comentário:

Gheisa disse...

Pra quem quiser que o livro emprestado, é bom entrar na fila, pois eu sou a pri! :)